Os Munícipes queixam-se

Publié le par Secção PS - Bombarral

Durante o período de atendimento ao público das reuniões de Câmara do Bombarral vários munícipes queixaram-se de problemas aos autarcas.

Manuel Ventura, acompanhado de mais dois residentes no Casal do Avenal, chamaram a atenção para “o mau estado em que se encontra o rua de acesso” às suas habitações, bem como para a existência de 110 metros de manilhas “perto do poço que não são limpas”, existindo ainda “um aqueduto junto da capela que está interrompido e 60 m de estrada que está a ceder”.

Perante tais problemas, Luís Camilo Duarte, presidente da Câmara, comprometeu-se a fazer uma intervenção para “limpar o caminho”, após as intervenções que os serviços municipais estão a efectuar para resolver os problemas causados pelas intempéries.

Joaquim Vieira disse ter feito um pedido de viabilidade de construção no Carvalhal, onde há uns anos havia uma estrada com dois a três metros de largura e que foi reprovado. “Há três anos foi lá feito um alargamento da estrada e como é encosta as chuvas vêm pela estrada abaixo e as valetas ficam entupidas”. Joaquim Vieira reclamou que precisa deste problema resolvido para construir a casa com todas as condições. Na resposta o presidente da Câmara informou que a autarquia “só pode reapreciar o processo desde que haja um requerimento do interessado”.

Inocêncio Ramalhete revelou ter começado a trabalhar na piscina municipal antes dela abrir, sendo que na última vez que lá esteve foi a recibo verde, pagando-lhe a Câmara 350 euros por mês. “Foi-me renovado o contrato por mais um ano, mas ao fim de seis meses recebi uma carta de despedimento”. O trabalhador reclama pelo facto de ter sido contratado para o seu lugar “um amigo do responsável da piscina, com 20 anos, e que foi ganhar 650 euros por mês”.

Inocêncio Ramalhete revelou que ofereceu os seus préstimos gratuitamente para alguma coisa que fosse preciso e pediu para lhe darem um garrafão de água descalcificada por mês, o que foi atendido, tendo-lhe sido dados dois garrafões. “Hoje de manhã fui à piscina pagar 51 euros da mensalidade da minha mulher e do meu, mas quando pedi o garrafão de água, o funcionário disse-me que não tinha autorização para tal”. Incomodado com o assunto, Luís Camilo Duarte apenas disse que iria recolher os elementos para informar a Câmara.

António Barreiras e a mulher, moradores na Rua da Azinhaga, lugar de Famões, freguesia de Bombarral, sensibilizaram o executivo para o mau estado em que se encontra o pavimento da sua rua. Luís Camilo Duarte disse não se poder comprometer com o alcatroamento da rua, mas “pode-se reparar o piso”.



Carlos Barroso
in Oesteonline

Publié dans Câmara Municipal

Commenter cet article